Utilização do QGIS na cartografia dos Censos2021
Utilização do QGIS na cartografia dos Censos2021 avatar

Os recenseamentos da população e da habitação são as maiores operações estatísticas realizadas em qualquer país do mundo e destinam-se a obter informação sobre toda a população residente, famílias e o parque habitacional.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os Censos estão entre os exercícios mais complexos e massificados com que uma nação se compromete e requerem o mapeamento de todo o território.

Os Censos produzem informação essencial para o desenvolvimento económico e social, constituindo-se como instrumentos indispensáveis ao planeamento informado dos serviços e à definição de políticas nas mais variadas áreas.

A informação censitária é, pois, relevante para os sectores público e privado, bem como para os cidadãos em geral. Desta forma os Censos fornecem informação que permite o conhecimento aprofundado do capital humano, a nível nacional, regional, local e, a um nível mais fino, para pequenas áreas geográficas ou subpopulações. Essa informação é fundamental para a tomada de decisão e investigação por parte de Estados, governos, sociedade civil, academia e demais “stakeholders”.

Até hoje efetuaram-se, em Portugal, dezasseis recenseamentos da população e cinco recenseamentos da habitação, segundo as recomendações internacionais, iniciadas em 1853. Remonta a 1970 a primeira realização simultânea dos dois tipos de recenseamento (população e habitação).

No âmbito dos Censos 2021, e como suporte à sua recolha e divulgação, foi constituída a Base Geográfica de Referenciação de Informação (BGRI 2021), infraestrutura geográfica que divide o território nacional em pequenas áreas para efeitos estatísticos. Além de observar os limites administrativos que constam da Carta Administrativa Oficial de Portugal – distritos, municípios e freguesias – a BGRI 2021 divide o país em 10401 unidades territoriais designadas por secções[1] estatísticas e 210170 subsecções estatísticas[2].

Figura 1 – Base Geográfica de Referenciação de Informação (BGRI) 2021

Para a criação das secções estatísticas dos Censos 2021 foi criado um plugin para o Qgis IneSections que permite de uma forma automática criar o seccionamento estatístico tendo como base a TIPAU[3], e uma delimitação de subsecções dentro da mesma freguesia.

Figura 2 – Interface do Plugin IneSection

A parametrização requer a identificação de um Id único na camada das subsecções (Campo ID), um atributo com o número de alojamentos por subsecção (campo Aggr) e um atributo que identifique o campo freguesia (Campo Cat). É possível não utilizar a TIPAU, optando-se por identificar um valor no parâmetro limite que se torna no valor alvo da dimensão das secções.

Este procedimento revelou-se bastante eficiente e extremamente rápido, permitindo de forma automatizada concluir o seccionamento estatístico, última fase do processo de construção da BGRI2021.

Para a divulgação de resultados provisórios dos Censos, o INE desenvolveu um geopackage, constituído pela informação dos resultados provisórios dos Censos 2021 ao nível da contagem das 4 principais unidades estatísticas: edifícios, alojamentos, agregados e indivíduos, associados à componente geográfica da BGRI 2021.

Para conferir maior acessibilidade ao utilizador na descarga dos dados foi desenvolvido um plugin QGIS, denominado downloadGeoStatPortugal, e que está disponível no repositório de módulos do QGIS.

Figura 3 – Interface do plugin downloadGeoStatPortugal

Para efetuar o download dos dados, deve selecionar-se o ano pretendido e na árvore escolher a unidade geográfica (Portugal, Continente, Região: NUTS-II, Sub região: NUTS-III ou um município); ao clicar no botão “click to download” os dados serão adicionados ao Qgis.

Figura 4 – Descarregamento do município do Barreiro

[1] A secção estatística traduz-se na unidade territorial que corresponde a uma área contínua de uma única freguesia com um número médio de alojamentos destinados à habitação que varia entre 550 e 650, consoante a tipologia das áreas urbanas (TIPAU) em que a freguesia se insere.

[2] A subsecção estatística traduz-se na unidade territorial elementar da BGRI e identifica uma parcela do território delimitada, sempre que possível, por eixos de via classificados com toponímia ou outros elementos facilmente identificáveis no terreno

[3] Tipologia de áreas urbanas que divide as freguesias em 3 categorias (APU – área predominantemente urbana; AMU área medianamente urbana; APR – área predominantemente rural)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.